A vitória estava no banco de reservas

Foto: Daniel Malucelli/FC Cascavel

Enfim, uma noite de paz para o torcedor aurinegro, o clima antes da partida era de preocupação para não dizer de pessimismo. É difícil se levantar depois do atropelamento na partida no meio da semana e o torcedor não sabia como o time reagiria.

Desde que as coisas “entraram nos eixos” em 2019, o torcedor acostumou-se com um time sempre com bons resultados e lutando na parte de cima da tabela. Em 2019 o time foi semifinalista do primeiro turno do estadual e posteriormente conseguiu a classificação para a Série D, em 2020 ficamos entre os quatro melhores da competição e o resultado foi tão bom que a goleada sofrida na arena da baixada foi compreendida pelos torcedores, e no ano passado chegamos a tão sonhada final contra o adversário da noite de ontem, mas infelizmente o troféu não veio. A torcida aurinegra acostumou-se a bons resultados no campeonato estadual e atualmente espera que no mínimo eles se repitam.

Pode-se dizer que a partida de ontem foi uma experiência diferente, o time entrou em campo pressionado e precisava dar uma resposta. Tcheco finalmente tirou Carlos Henrique do time titular, quem entrou em seu lugar foi o também atacante Núbio Flávio. Na escalação publicada pelo clube, o sistema de jogo seria novamente o 4-4-2, mas temia-se que ele novamente se tornasse o 3-5-2 como aconteceu em Ponta Grossa. Os primeiros quinze minutos de jogo trouxeram esperança e o torcedor entrou de vez no jogo. Doka fez excelentes aparições pisando na área chegando até a finalizar uma bola na trave, o lateral que jogou como ala novamente demonstrou qualidade também quando permanecia aberto, era sempre uma boa opção para descongestionar o jogo.

Também dos pés de Doka saiu o cruzamento para Itaperuna que com um passe de letra deixou Fabricio em boas condições para fazer uma finalização, que acabou não indo para o gol. Depois de 15 minutos o jogo esfriou e torcedor começou a perder a paciência por causa dos incontáveis passes trocados na defesa.

Aqui um ponto, desta vez não vou criticar o time e nem o treinador, o adversário veio para jogar com transição rápida se aproveitando dos erros do FC Cascavel, era crucial que o aurinegro não entregasse a bola para o adversário fazendo ligações diretas a todo momento, o Londrina em boa parte do jogo se defendeu com os 11 jogadores atrás da linha da bola e para quebrar esse tipo de sistema defensivo é importante ter paciência.

A crítica fica para os jogadores de meio-campo que se escondiam atrás da marcação, os zagueiros constantemente ficavam sem opções de passe, o único que se apresentava para receber a bola era o volante França, que por sinal fez uma partida excelente.

O Cascavel voltou para o segundo tempo com a mesma postura agressiva do início do primeiro tempo, destaque para Willian Gomes que fazia as vezes de lateral e aparecia até mesmo como construtor de jogo. O zagueiro artilheiro que é viciado em fazer golaço no Londrina, além de executar suas funções defensivas era também um jogador surpresa, por varias vezes serviu para atrair a marcação e abrir o corredor para o lateral esquerdo Simões.

No último jogo, o banco de reservas quando acionado não correspondeu, mas ontem foi justamente de lá que saiu a vitória. As entradas de Tiarinha, Samuel e Vinicius Balotelli trouxeram a vitória e mais dúvidas para a cabeça do professor. Tiarinha tinha mais mobilidade e velocidade que o artilheiro Léo Itaperuna e incomodava bastante a saída de bola do Londrina. Samuel é jogador de velocidade e conseguiu algumas vezes quebrar as linhas do adversário e Vinicius Balotelli novamente entrou em campo disposto a ser o destaque mesmo jogando poucos minutos. Ele entrou no lugar do ala Doka e fez bagunça por ali.

Um cruzamento dele que se tornou um lançamento para Simões é que deu inicio ao lance do primeiro gol, que por sinal foi um golaço do Willian Gomes que é viciado em fazer golaço no Londrina, e já nos acréscimos Balotelli é quem dá números finais ao jogo. Depois de uma tabela com Tiarinha ele chapou no cantinho com aquela tranquilidade que vinha faltando nas finalizações da equipe.

Venceu e convenceu, o time buscou jogo e estava empenhado em sair do Olímpico Regional com os três pontos. O time mostrou não ser tão rígido como demonstrará ser até então, as alterações mudaram o jogo e devem causar dor de cabeça no técnico, afinal Balotelli e Samuel já deixaram claro que merecem uma vaga entre os titulares. Tiarinha merece mais oportunidades, se mostrou proativo e de fato é um jogador que chama atenção.

Na quarta-feira novamente no Olímpico o adversário será o esfacelado Paraná Clube, afundado em crise e lutando pela sobrevivência. É a oportunidade perfeita para embalar no campeonato.

*Este texto é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do site.

Caio Guilherme
Estudante de jornalismo e dono perfil @portalfcc no Twitter.

Artigos Relacionados

Últimos Artigos