Nenhuma surpresa…

Balotelli perde gol incrível contra o Tocantinópolis (Foto: Daniel Malucelli/Cascavel)

Mais uma derrota para a conta, a quarta consecutiva. Jogando em Tocantinópolis depois de uma viagem por terra, ar e água, o Cascavel novamente perdeu e está eliminado da Copa do Brasil.

O sentimento do torcedor antes da partida era de um otimismo “forçado”, no fundo todos guardavam um pouco de pessimismo em seu interior, levando em conta as últimas atuações do Cascavel. Desde a vitória sobre a Ponte Preta pela primeira fase da Copa, a equipe só perdeu, não fez nenhum jogo convincente ou que transmitisse qualquer sensação de esperança.

Duas derrotas semelhantes para o Maringá, um jogo maluco contra o Athletico que terminou com um “quase milagre”.

Todos sabiam que o confronto válido pela segunda fase da Copa do Brasil seria complicado, tanto por fatores extracampo, como por fatores relacionados ao adversário, que por sinal faz boa campanha no campeonato Tocantinense, eliminou o Náutico na Copa e na partida anterior ao confronto com o Cascavel venceu por uma sonora goleada de 13 a 1.

Independentemente do nível exigido no estadual, não quero entrar no mérito, o fato é que o “Verdão” chegou ao confronto com a confiança em dia, situação oposta ao Cascavel. Quem acompanha o aurinegro sabe da fragilidade da equipe, sabe também que a confiança não anda muito em alta depois de duas derrotas consecutivas jogando no estádio Olímpico Regional, onde até então a equipe fazia valer o mando de campo.

O jogo em si foi carregado de tensão, afinal jogo único valendo uma boa quantia em dinheiro e a chance de ter maior visibilidade a nível nacional é o sonho de qualquer clube do interior. É o tipo de jogo onde erros não podem acontecer, noventa minutos é pouco tempo para se recuperar de uma falha.

Era de se esperar um Cascavel mais conservador, afinal jogava fora de casa, num gramado mais pesado e contra a torcida adversária que foi em bom número ao estádio. Novamente, o FC Cascavel cansou de perder gols e teve dificuldades para furar a defesa do rival que após o gol não tinha motivos para ser agressivo, e como ficou claro no jogo do último sábado, dar a bola para o Cascavel é uma ótima opção para se defender, com a transição lenta e pouco criativa fica fácil neutralizar o ataque aurinegro.

Itaperuna, destaque em 2021, parece ter dificuldades em jogar centralizado fazendo o “pivô”, é jogador que está sempre tendo de vencer a defesa adversário na disputa física. Balotelli tem dificuldades para criar contra uma defesa descansada, a superioridade física vista em jogos que ele entrou na parte final desaparece quando começa entre os titulares. O meio de campo como um todo é lento e tem dificuldades para organizar o jogo, a defesa tem sérias dificuldades em ganhar a segunda bola ou rebotes, o que permite ao adversário levar bastante perigo ou até concluir em gol, como foi contra Athletico, com o Maringá e agora contra o Tocantinópolis.

A má finalização é também um problema crônico, no jogo em questão a equipe até criou algumas boas oportunidades que foram desperdiçadas, porém nos jogos anteriores o time criou pouco e quando criou perdeu as chances, os jogadores parecem com pouca confiança para tomar decisões, e não somente em momentos de finalização.

Os erros na saída de bola foram frequentes na temporada passada, o que pode sim contribuir com a falta de confiança na fase de construção de jogo. Os erros se repetem a esmo, o jogo do Cascavel é previsível ou “manjado” como dizem por aí, a falta de repertório torna o time fácil de ser combatido.

Até as alterações do treinador são fáceis de se prever, não existe variação ou surpresa, tudo acontece como sempre aconteceu até aqui e as derrotas também se tornaram frequentes. O desempenho é horrível e a derrota não surpreende, contra o Maringá fora de casa será preciso inovar e quebrar alguns estigmas dessa temporada: Precisa vencer fora de casa, coisa que ainda não aconteceu, e precisa marcar ao menos um gol, coisa que também não aconteceu até aqui, o clima é de pessimismo e outra derrota não será novidade alguma, porém o futebol é imprevisível e espero que pela primeira vez na temporada o Cascavel também seja.

Caio Guilherme
Estudante de jornalismo e dono perfil @portalfcc no Twitter.

Artigos Relacionados

Últimos Artigos